Amigos:

29 de jun de 2013

As Formas mais comuns de Automutilação + #ProjetoEuMeAmo

As 10 Formas mais comuns de Automutilação:

Há muitas maneiras que podemos nos machucar, geralmente quando alguém fala 'Automutilação' está se referindo ao corte, mas este é apenas um dos muitos métodos.
Neste texto vou explicar sobre este e alguns outros métodos comuns dos quais eu tive/tenho alguma experiência pessoal e eu vou dar uma breve descrição das minhas próprias experiências para ajudar a entender.

Comportamento autodestrutivo é um dos principais critérios para o diagnóstico de Transtorno de Personalidade Borderline, mas também pode ser uma condição em sua própria personalidade, ou relacionado a outros problemas. Não é generalizado o fato de quem se machuca tenha o TPB.
O ato pode ser viciante e alguns automutiladores (ou que tem vontade de experimentar) “pede” para agir dessa maneira através do *gatilho* pensando na Automutilação.
Não se trata de pessoas em busca de atenção, mas outras pessoas ou causas podem desencadear um indivíduo automutilador, a ação real é inteiramente sobre si próprio.

Curiosidades:

Não é de hoje que existe a automutilação/autoflagelação, a muitas décadas os Muçulmanos Xiitas usam facas e correntes se punindo para "lembrar" a morte do Imã Hussein, neto de Maomé (o profeta sagrado deles). (Não ria Eilan! Sei do que você lembrou! ¬¬)


E não são só os "habibis" que praticam este ato. Entre os religiosos católicos, a prática da autoflagelação era considerada um ato de purificação após ser cometido um (ou vários) pecados, principalmente durante a Idade Média. Atualmente, o Vaticano condena esta prática. Porém, este ato ainda divide opiniões entre clérigos e leigos. A autoflagelação pública ainda é comum entre os Cristãos Católicos durante a celebração da Semana Santa nas Filipinas.



Bem mas vamos ao que interessa!



1. Corte:
O corte (cut) é o que as pessoas tradicionalmente pensam quando alguém diz "Automutilação”. O corte é feito muitas vezes como uma forma de ‘autopunição’ ou como uma ‘libertação’, na maioria dos casos não se trata de uma busca de atenção, como muitas vezes as pessoas assumem.

O Corte pode ser superficial, ou grave, dependendo do nível de necessidade do cortador - pessoalmente, eu só preciso ver o sangue de um corte e estou satisfeita, não preciso que seja profunda e eu nunca precisei de pontos ou tratamento hospitalar para os meus cortes, mas muitas vezes um único corte não é suficiente, eu preciso cortar várias vezes. - Também o corte não é necessariamente uma tentativa de suicídio, na maioria das vezes, os cortes no antebraço, coxas ou outros lugares onde podem ser escondidos são mais comuns do que os cortes de pulso perigosos.

O dano do corte é geralmente mais imediato do que em outras formas de Automutilação, quase nunca deixando danos duradouros além de cicatrizes.



2. Ferimento:
Outras formas de lesão física são muito comuns na automutilação, isso inclui a autoperfuração, bater a cabeça, se queimar, cortar ou arrancar os cabelos/pelos e muitas outras coisas, a partir de comportamentos prejudiciais suaves como beliscar a pele, até coisas mais arriscadas como pular de um lugar alto por exemplo.

Às vezes, esse tipo métodos de automutilação pode resultar em lesões mais graves do que o corte, ossos quebrados, sendo um resultado possível e lutas corporais provocando com os outros.

Dar socos na parede geralmente é a expressão mais externa de raiva que tenho, pois é quando tento evitar direcionar este soco em outros ou provocar brigas. Sentada batendo a cabeça contra parede geralmente para mim está relacionado à frustração e dor interior. Eu não quebrei nenhum osso (felizmente), mas tiveram alguns cortes e hematomas desagradáveis. Queimar a ponta dos dedos, fazer furos com agulhas no meu corpo, cortar-me, colocar a mão no vão da porta e bate-la com força... Eu tive diversos tipos de automutilação em diferentes fases da minha vida, uns ocorreram mais na infância, outros mais na adolescência e alguns ainda ocorrem hoje, no começo da minha vida adulta.

Cortes e queimaduras têm uma maior chance de cicatrizes e para refrescar a sensação de "libertação", basta coçar ou cutucar para que eles sangrem novamente.



3. Alimentos:
A compulsão alimentar, a fome deliberada, vômitos (purgatórios ou laxativos) ou apenas não querendo/precisando comer muito, resultado de se sentir triste ou deprimido. Os alimentos podem ser usados ​​para automutilação e/ou regular as emoções.

Empanturramento e compulsão alimentar podem aliviar a sensação de vazio, enquanto purga pode ser uma libertação de algo ruim que está dentro de si. Métodos mais graves e mais raros envolvem coisas como a ingestão de produtos não alimentares ou produtos químicos.

Para mim, o desejo de comer está totalmente relacionado a ansiedade, tristeza e sensação de vazio. Sofri este tipo de autoflagelação a vida toda, sempre recorri a comida como um estabilizador de humor, e sempre me puni depois disso. Eu mesma gero minha dor.

Os transtornos alimentares são condições co-mórbidas comuns em pessoas com TPB, como já foi esclarecido aqui no blog (Leia Aqui). É um alívio imediato óbvio, de se sentir completo, ou vazio, o uso de alimentos como um método de automutilação é uma forma de criar danos permanentes, como anorexia, obesidade e muitas queixas médicas podem estar relacionadas com essas condições.


(Sim, é a Amy)

4. Álcool:
Mesmo pessoas sem problemas de saúde mental têm uma tendência a usar álcool para ajudá-los a lidar com os sentimentos e emoções que são difíceis de lidar sobriamente.

É certamente um método de autoflagelação, dando uma segunda olhada para tantas pessoas que bebem em excesso para se divertir, apenas um copo de “coragem holandesa”. Hahahaha. Mas o fato é que o excesso de bebida pode levar a danos imediatos como desmaios e perda de memória, ou resultar em danos de longo prazo afetando úlceras ou insuficiência hepática.

Eu não tenho um grande problema com o álcool no meu dia-a-dia, posso passar semanas, meses sem tocar em uma gota, mas quando estou no quadro 'errado' de mente vou logo descontar na bebida, bebo como um Cowboy. Já tive que (em certo carnaval da vida) ser reanimada em plena praia, muitas vezes misturo álcool com uma overdose de drogas não necessariamente como um gesto suicida, mas, ao menos como uma tentativa de um extravasar certos sentimentos e emoções.



5. Drogas:
As drogas legais, drogas ilegais, medicamentos prescritos, medicamentos “sem receita” ou outras substâncias de aerossol ou gás, a cola. Tudo, absolutamente tudo!

Drogas modificam ou geram uma série de sentimentos e emoções que podem ser muito grandes, não é segredo para ninguém que dá prazer, minimiza dores (internas e externas) e podem viciar.

Eu já usei praticamente todos os tipos de drogas durante minha vida, também já misturei substâncias. Na minha adolescência eu cheirei cocaína e cola, tomei chá de cogumelo antes de passar para a maconha. De lá fui para drogas de festa, lança perfume, LSD, êxtase... Eu nunca me viciei realmente (organismo talvez), mas a sensação é única, não há nada para comparar o que você sente na hora, o problema é o depois, depois eu me sentia muito pior do que antes de começar a usar, drogada eu era uma deusa depois do efeito eu me tornava um zumbi. Parei pouco antes de engravidar, embora depois de ganhar eu fumei e cheirei novamente algumas vezes, me sinto envergonhada agora, talvez por ser mãe.

E é claro que os riscos de curto e longo prazo de todas as formas de abuso de substâncias são elevados, levando doenças graves, dependência e até danos cerebrais e a morte.



6. Sexo:
Estranhamente este tema é, provavelmente, o mais ‘tabu’ quando se trata de automutilação. Mas o sexo é SIM uma ferramenta para o mal, tanto quanto qualquer outro citado aqui. A questão é que o comportamento impulsivo associado a pessoas com TPB e outras doenças mentais tende a uma elevação uma muito grande (ou inexistente) do desejo sexual, mas isso não é preenchido facilmente em um relacionamento monogâmico. Muitas vezes precisamos do fator “promiscuidade” que se refere a fazer o ato sexual de uma maneira arriscada. E é ai que está o problema.

Muitas pessoas que tem TPB sofreram abuso sexual e como resultado tem distorcidas suas conexões com o sexo. Não necessariamente falando de quem não passou por isso pode também ter associações turvas sobre o assunto.

Para mim, usava o sexo (e uso ainda) como forma de receber o carinho abraços e beijos que não tive na infância. Submeto-me a ficar com um cara mesmo sem ser respeitada somente pela troca de toques, e não necessariamente pelo prazer. Quando impulsiva eu já trai meu namorado, tive relações em lugares públicos, dormi com vários caras na mesma noite, mas o pior de tudo, devido à minha imprudência e impulsividade o uso de camisinha raramente era considerado.

Assim, a promiscuidade sexual como uma forma automutilação traz riscos de gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis. Tenho a sorte de graças a Deus nunca peguei nenhuma doença, mas outros não tiveram tanta sorte ... Mais uma vez, os riscos de curto prazo com relacionamentos prejudiciais e doenças sexualmente transmissíveis através de riscos a longo prazo de risco de vida, doenças sexualmente transmissíveis, infertilidade e gravidez são os ricos.



7. Gastos:
Outro comportamento imprudente. Muitas pessoas sem doenças mentais têm problemas com gastos excessivos, mas porque tantas pessoas têm enormes quantidades de dívidas?

Para mim, quando eu estou pra baixo eu compro roupas e bugigangas em excesso, não tenho tempo para ler, assistir, ouvir ou usar todas as coisas que eu compro porque eu compro muito. Tenho tido muita sorte, de nunca ter entrado em uma dívida grande, pois nunca tive cartão de crédito talvez. Mais uma vez um monte de pessoas lutam contra isso.

O gasto excessivo pode levar a problemas financeiros de curto e longo prazo, tais como jogos de azar, agiotas ou perder bens como casa, carro, etc.



8. Adaptação Corporal:
Incluem coisas simples como vários piercings e tatuagens ou as adaptações do corpo mais drásticas. Body Modification pode ser arte, para mim apenas outra forma de punição ou libertação.

Tenho quatro piercings no corpo, atualmente só uso o da língua. Eu sempre quis fazer tatuagens, e ainda quero. O que sempre me segurou foi o medo de não gostar ou pensar como eu ficaria quando velha.

Os riscos de tatuagens e piercings podem não parecer tão altos em comparação a outros métodos aqui citados, riscos de curto prazo como infecção são mais comuns. Mas indo para o lugar errado pode adicionar em risco de agulhas sujas podem por em risco a infecções e doenças, em longo prazo isso pode afetar sua capacidade de obter um emprego o que terá um efeito de arrastamento sobre outras áreas de sua vida.


9. Exercícios:
Você pode pensar que nunca é demais quando se trata de exercício, mas você certamente já sentiu a presença de endorfinas atuando em seu corpo quando teve um bom dia de treino?

Quando eu estava fazendo RPM na academia (aquelas bicicletas que você fica inclinada) eu faria uma hora o que exige muito fisicamente, em seguida, fazia outra hora de musculação, e por estar tão “alta” eu saia fazendo piruetas até chegar em casa, ainda ansiosa pingando suor, exausta e mesmo sentindo náuseas adorava aquela sensação. Não falhava nenhum dia. Sinto saudades. Como um monte de outras coisas, meu corpo/cérebro não lida com o exercício da maneira que outras pessoas fazem, e eu não estou sozinha nessa. O problema surge quando isto se torna viciante, quando aquilo foge de suas mãos, você não pode comer ou dormir sem fazer sua caminhada, academia ou corrida. Você está assim, pois precisa das suas endorfinas.

Exercício, com moderação, é maravilhoso. Mas, para algumas pessoas, a pressa e os sentimentos de prazer podem ser tão viciantes que levam a extremos perigosos que realmente nos fazem mais mal do que bem. Tudo é uma questão de bom senso (o que eu não tenho).



10. Auto Injuria:
Esta forma de automutilação eu creio que seja unânime entre quem sofre de TPB. Esta é uma das piores pois provoca dores e agressões justamente no emocional.

Quem nunca ficou remoendo acontecimentos negativos, quem nunca se autossabotou, quem nunca se insultou?

Eu sempre faço isso, mesmo quando inconscientemente, odeio a solidão mas ela me traz uma falsa segurança. Eu acho horrível os insultos que ganho, mas volta e meia eu uso os mesmos para me ofender. Amores negativos?.. Minha especialidade, me agarro a coisas que me fazem mal como se não existisse outra saída no universo. Preciso evidentemente de acompanhamento psicológico antes da viajem, mas volta e meia me esquivo, acabo me prejudicando. Como eu amo me odiar. Como é bom me ferir me achar horrível, incapaz, burra, feia, gorda, não merecedora da vida. Tudo isso internamente.

Isto nos traz problemas em todas as áreas da vida. Pois a Auto Injuria afeta a raiz de todos os outros problemas. Trazendo problemas de efeito imediato. E consequentemente de longo prazo se não vetado.

** Conclusão: Esta não é uma lista exaustiva, ainda há muitos tipos de Automutilação. Eu só queria chamar a atenção para o fato de que a Automutilação é muito mais abrangente que você pode imaginar ou acreditar. As pessoas que se automutilam precisam de ajuda e não julgamento para superar e lidar com seus problemas, mas o primeiro passo é reconhecer que você tem um problema. Talvez você seja uma das pessoas acham abomináveis pessoas que se cortam, usam drogas, ou tem seus corpos cheios de tatuagens. Mas você descobriu que você também é um automutilador! Pois você se maltrata por dentro, gasta todo dinheiro em coisas que não usa ou sempre dá graças a Deus quando chega sexta-feira e você pode sair para beber e dar aquela espairecida com seus amigos, pois você precisa disso para não surtar! Reveja seus conceitos, ninguém precisa permanecer ignorante a vida toda! Para os que têm uma ou mais das formas de automutilação, procure ajuda, seja como ou onde for. Seu corpo é um presente da natureza cuide dele!

Conheça alguns exercícios sobre a Automultilação:
(Basta clicar nas imagens para ver ampliado)




A PARTIR DE HOJE COMEÇA O PROJETO EU ME AMO!!! #ProjetoEuMeAmo



> Qual é o seu maior desejo??? SER AMADO! 
> E quem deve ser a primeira e mais importante pessoa para fazer isso??? VOCÊ!

Seguindo esta linha de raciocínio e depois de fazer esta pesquisa para o blog, proponho a TODOS que lerem este post aderirem a esse movimento a favor do amor próprio. Pois eu, você, todos nós borders ou não temos o direito de sermos felizes!

Basta primeiramente postar algo (foto, depoimento, frases, etc) com a "hashtag" #ProjetoEuMeAmo

Já foi feito uma Fan Page no Facebook: http://www.facebook.com/ProjetoEuMeAmo

Lá e aqui será montado um suporte de apoio a pessoas que buscam ajuda. No decorrer dos dias irei explicando melhor do que se trata. Mas não deixem de curtir a page, ok?

* Obrigada a TODOS que doaram seu tempo para ler este post!

32 comentários:

  1. Maridaaaaaaaaaaaaaaaaaa muito muito bom. Amei a idéia. E digo mais, vou fazer uma página só pro projeto, border ou não, e quem quiser mandar foto eu coloco lá pra todo mundo ver!

    Falta eu, né? Não me amo hoje com minha boca estourada e dente doendo. Amo meu sorvete.
    (aquela que dá o mal exemplo)

    Eu te amo, pode ser? aehiaueiuhaiueh
    Tá, me amo tb. To tentando. To com umas idéias. Teu projeto me deu uma gana pra colocar em prática.

    bjuuuuuuuuuuuu

    ResponderExcluir
  2. Te amo tbm marida! E quero me amar!!!!
    Deu uma luz, espero que outras pessoas abracem a idéia e se deem a chance de tentar ser feliz.
    bj bj bj

    ResponderExcluir
  3. Oi Miss Daniele
    Muito bom o post! Gostei muito! Acho que esse projeto poderia ser uma Blogagem Coletiva, eu participaria, com certeza.
    Bjos. e # tamo junto!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o projeto. Ás vezes a gente foca tanto em amar o outro e se esquece de se amar...
    O maior mandamento de Jesus é "Amar ao próximo com a ti mesmo". O lance é amar nem mais e nem menos. Tem que começar com a gente.
    Vou pensar em alguma coisa para postar no projeto. Leve como uma verdadeira demonstração de amizade,rsrs... Não sou muito fã de fotos, mas apóio 100% o projeto.
    Ontem vi uma imagem da Sara Kay, que me lembrou da minha coleção de papéis de carta. E me lembrei de vc Eilan. Espero que vc nunca mais sinta vontade de mandar sms para seu ex, mas se sentir, escreva uma carta para expressar seu sentimentos, que não vai ser enviada, mas que alivia muito.
    Um grande bj

    ResponderExcluir
  5. Chistiane Garcia, não consegui postar uma resposta pra você no seu blog... :/
    Mas seria ótimo se você contribuísse com o projeto! Beijos

    ResponderExcluir
  6. Adorei o projeto, vou participar ( estou pensando no que fazer)
    Recentemente vi um comemtario aki no blog dizendo "ao inves de se cortar, fume" e pensei "mas fumar ou beber nao e tambem uma forma de se automutilar?" Se ainda restava duvidas seu post tirou todas. Muito bem escrito Dani, parabens.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. #ProjetoEuMeAmo

    É difícil se amar, quando não nos sentimos amadas.
    Mas a vida muda e eu coloquei uma tatuagem do duplo infinito no pulso que cobre o corte que fiz há dez anos, não para apagar, mas para saber que amar e ser amado é um processo infinito em conjunto e é mais importante que o ódio e a dor de existir.
    Amei o projeto!

    ResponderExcluir
  8. Nossa, mt interessante esse post.
    Gostei msm..

    ResponderExcluir
  9. Me cortar, enfiar agulhas nos braços, arrancar compulsivamente os cabelos, disso eu entendo.

    ResponderExcluir
  10. E uma garota com TPB que arranca a pele na região da sola dos pés? Se enquadraria?

    ResponderExcluir
  11. Eu fumo. Detesto o cheiro e só fumo quando estou nervosa,mas muitas vezes so sacio quando minha pressão abaixa e preciso vomitar. Troquei os cortes pelo cigarro, pois depois tinha q ficar escondendo os cortes, e era horrível. É mais fácil te aceitarem fumando e entender do q quando vc aparece com cortes no braço, pois acham q eh só pra chamar atenção.

    ResponderExcluir
  12. Eu enfiava agulhas pelo meu corpo e me cortava. Hoje faço tratamento piscicologico e aprendi que o amor vem de vc mesmo. As vezes me sinto tao sozinha e rejeitada que sinto vontade de fzer tudo de novo mais ai eu paro e penso: eu nao preciso disso, so vai fazer minha dor aumentar. Comecei a fazer boxe e toda a minha dor e raiva eu desconto no saco de boxe. Boa sorte com o projeto

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito dessas informações... Infelizmente as cicatrizes ficam; mas ou eu faço mais cortes ou faço tatuagens... Vou seguir com as tattos por enquanto...

    ResponderExcluir
  14. Eu sempre bati a cabeça na parede e até hj eu puxo os meus cabelos (não um a um pra arrancar, aquela puxada com força de muito cabelo, que apenas dói mas não retira nada). Como tenho um parceiro, é difícil controlar, penso MUITO em me cortar, mas já cheguei à conclusão de que ele sempre iria achar os cortes. Outra coisa que sempre fiz foi tomar remédios aleatórios pq sabia q eles me fariam mal (tenho gastrite) ou até me matariam (torcia muito para isso), mas com certeza a maior forma de auto-mutilação que pratico é a auto-injúria. Não adianta, eu me odeio com todas as forças, odeio absolutamente tudo sobre mim, internamente e externamente, não vou à praia nunca... Não tenho cicatrizes no corpo, mas o enxergo como se ele fosse a coisa mais feia do mundo, meu corpo inteiro é a minha cicatriz

    ResponderExcluir
  15. eu preciso de ajuda... estou prestes a explodir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o total acaso me trouxe ao rodapé desta pagina... como não creio no acaso , talvez exista um proposito...gostaria de ler o que tens a dizer : alexandre.castro01@hotmail.com

      Excluir
  16. Estou fazendo um trabalho e li o seu post, achei muito interessante e reflexivo. bj

    ResponderExcluir
  17. Me identifiquei demais com o post. Bjs

    ResponderExcluir
  18. Eu estou desesperada, preciso de ajuda e não consigo falar com ninguém sobre isso. Desenvolvi uma espécie de fobia quando se trata de confiar nas outras pessoas. Só o pensamento de conversar sobre isso com os meus país ou meus amigos já me aterroriza, pois tenho "certeza" que eles irão me julgar como maluca, ou pior, dizer que eu não tenho motivos para me sentir assim. Sofri bulliyng na infância e adolescência, e isso me afetou/afeta profundamente, além dos problemas que tinha/tenho com a minha família. Às vezes acho que a minha mãe se sente obrigada a me amar e a cuidar de mim, e que não faz isso incondicionalmente, que ela só fica feliz comigo quando as coisas estão indo bem. Não sei se consegui me expressar bem, mas o que eu quis dizer é que eu me sinto desprezada dentro da minha própria casa. Não sei mais o que fazer, não sei a quem recorrer, e isso está me matando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você ja tentou conversar com pessoas que sofreram tudo isso? há muitos grupos no facebook.

      Excluir
    2. Chorei com cada comentario desse post . Não sou uma pessoa culta com conhecimentos terapeuticos. Mas eu lamento por cada um q está sofrendo desse mal ! Eu me maltratava muito .Me achava burra , insignificante e tal.Não quero parecer piegas , mas descobri alguém q me valoriza demais! Que sofreu injúrias, foi mutilado, teve sua alma rasgada , tudo por mim e por todo aquele q o receber, é só pedir, pq Ele é cavalheiro, não entra sem ser convidado.Jesus ! Diga a Ele q entrega sua vida em suas mãos, q Ele anote seu nome no livro da vida, (com certeza meu nome estava no livro da morte ; tentei suicídio) e diga q o reconhece como Senhor, Salvador e Mestre. Pra mim foi tudo!! Tive melhoras imediatas , depois fui tento pequenas melhoras ; hoje sou uma pessoa curada.Tenho marido, filhos, e dentro da minha comunidade procuro ajudar outros. Beijos a todos , borders ou não. Existe um amor maior. Há esperança.

      Excluir
  19. Estou em um momento péssimo. Ja não vejo mais escolha. Ta tudo tão difícil. Eu não aguento mais...

    ResponderExcluir
  20. <3 amei. e identifiquei, me deixou mais calma. <3

    ResponderExcluir
  21. Tenho 17 anos me mutilo a uns anos...n sou alcoolatra mas encho a cara em busca de preencher esse vazio,mas depois tudo fica pior.Com os abusos dos remédios adquiri gastrite.Minha mãe não acredita que posso ter plobremas psicológicos,para ela tudo é uma bobagem...Toda vez que ela fala algo que nenhuma mãe deveria dizer eu so penso em me cortar,essa palavra não sai da minha cabeça...desde criança eu tenho mania de puxar meus cabelos,arancar fio...me belicar,me aranhar...entre outros.Já tentei me suicidar varias vzs,mas agr parece qe ja estou morta...e tudo oq eu quero eh me punir...sempre me sinto aliviada mas ainda n eh o bastante

    ResponderExcluir
  22. Gostei muito do seu post e de como você se inclui nisso e se dar exemplos mas apesar de que você provavelmente não vai levar em conta o que vou te dizer (provavelmente porque está feliz com o diagnóstico e convicta disso), você não tem transtorno borderline, o nome do seu transtorno é ciclotimia e ele é um tipo de transtorno bipolar que a maioria dos médicos brasileiros não domina, e no caso diagnosticam como outros transtornos.

    ResponderExcluir
  23. Oie...
    Sinto-me perdida e confusa as vezes,nem sei pq estou escrevendo mas achei essa pagina por acaso e acabei gostando.
    Sofri bullying qndo criança,mh infância na escola n foi fácil. Mh familia é amorosa,tranquila,mas é como se eu me sentisse um alienígena entre eles,sou tão diferente.Sempre me automutilei, sabe eu me arranho, com metal iú coisa afiada,n chego a qrer ver sangue mas é só pra sentir dor mesmo,algo maior q a dor do vazio,da desesperança, dor da solidão.As únicas pessoas q sabem de verdd o q faço eh um amigo e mh prima.Esse amigo é tão importante p min.Ele n me julga, n me critica, ele ne escuta e tenta ajudar.Mh prima por medo de algo mais acontecer contou p mh mãe mas acho q ela n percebeu a gravidade e ate agradeço. Não acontece todas as vezes só qndo ne sinto triste,qndo algo acontece, qndo lembro dos meus erros e passado,qndo lembro da criança q fui.Sempre faço isso no box em baixo do chuveiro,sentada e choro muito ai é q começa a tortura,tenho cicatrizes. É difícil quem passa por isso.Mh irma acha q isso é pra chamar atenção. Mas n é,é a única forna q encontrei d desabafar.

    ResponderExcluir
  24. Quando disse remoendo as coisas ruins, me vi exatamente como descreveu, olha procurei em vários sites sobre isso não achei nada pensei só deve ser uma das minhas loucuras, agora percebo que e da tpb, pior coisa você chega em casa com mistura de muitos sentimento com muita fúria por não ter esganado a pessoa até porque eu nao sei "cortar" uma pessoa eu se for falar vou xingar de tudo, esse autocontrole consome a gente, valeu por me esclarecer.

    ResponderExcluir
  25. Obrigado pelas dicas ...
    Eu não me corto , mas minha melhor amiga sim.
    Então é como se eu estivesse vivendo isso tbm afinal doi em mim.😘🙏
    My: Ray.

    ResponderExcluir
  26. Obrigado pelas dicas ...
    Eu não me corto , mas minha melhor amiga sim.
    Então é como se eu estivesse vivendo isso tbm afinal doi em mim.😘🙏
    My: Ray.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.