Amigos:

3 de mar de 2013

Morte e cerveja




Eu penso em maneiras de morrer todos os dias. Pra me acalmar ao dormir, a visão que tenho é eu num caixão e todos a minha volta. Meu ex-namorado também, mas as pessoas barrariam ele no enterro, pois eu me matei depois de nosso término. É muito louco como a imagem da morte pode ser tão reconfortante.

Me lembro a primeira vez que tentei me matar. Tomei todos os remédios que eu tinha e, na minha imagem romântica de suicídio, achei que iria desmaiar instantaneamente. Obviamente não foi o que aconteceu e o instinto nato de sobrevivência me impeliu a buscar ajuda. Vale salientar, tentei me matar quando meu primeiro namorado me traiu e ele próprio me levou ao hospital. A sensação de fazer uma lavagem gástrica me segue até hoje, os tubos enfiados no nariz, o enjôo...
Eu me cortava frequentemente. Havia uma faca afiada na casa deste meu ex, a qual eu usava pois a dor de brigar com ele era tão insuportável que eu preferia a dor física.

Hoje eu bebo. Sim, eu ainda bebo mesmo tomando minhas medicações. Minha psiquiatra disse que eu podia ter uma parada cardio-respiratória e eu pensei:  "yey! já sei como morrer!". Mas acontece que não morri. Não até agora. Bem, se for parar pra pensar não morri fisicamente. Nem devia estar dando idéias aqui, mas a questão é que continuo bebendo. Não quero a consciência. Não quero pensar. O álcool me afasta da dor. Das lembranças. Ontem consegui sair com minha mãe pra o evento de dança de salão e ouvia de longe as pessoas rindo, felizes. Comecei a chorar, pois faz tempo que não me sinto feliz. Não há nada que me tire um sorriso verdadeiro do rosto. Riso então, nem pensar. Minha vida é de sombras, é meu mundo em meu quarto, vendo o tempo passar por mim.

Sim, estou meio alta. Meio alcoolizada. Só assim pra suportar mais um domingo sozinha. Que tipo de pessoas depende da mãe para ter onde ir num sábado a noite? Meu tipo. Eu. 
Vou buscar mais cervejas antes da minha mãe voltar para casa.
Antes que eu comece a chorar.
Antes que eu me lembre mais dele, pensando como ele deve estar feliz agora e eu no chão.
Antes que eu me arrependa da sobriedade que possa chegar.
Antes que eu ligue pra ele pra ver ele não atendendo o celular porque sabe que sou eu.
Antes que eu comece a me culpar mais.

0 comentários: