Amigos:

17 de mai de 2013

Desalento


   Quando olho no espelho, assusto-me. Vejo um pássaro frágil, abandonado numa gaiola de ferro. Estou opaca, sem ânimo, sem vida. Angústia. Essa é a palavra certa. Angústia, e nada mais. Mas então olho o mais profundo que posso em meus olhos tristes – o que tem de errado comigo? Deve ser meu coração. Ele vive em outra época – ou será outro mundo? Então é assim, um pouco de amor aqui, dor ali e mundo acolá. Pronto, está feito um coração. Este coração inútil que bate incessantemente dentro do meu peito esquerdo. Mínimo de amor, muita dor e o mundo escorrendo pelos olhos. Que amor, que amor? Talvez aquele que sinto pela minha pele, meus cabelos e minha mente – sei que somente isso vale à pena. Não vejo mais humanidade, compaixão, muito menos certezas - dê-me algo em que eu possa acreditar. As pessoas estão perdidas e dilaceradas, numa caverna tomada pela penumbra e morbidez. Que dor, que dor? Aquela que sinto pelo tédio. Comparo a uma morte em vida, uma verdadeira agonia. Sofrimento puro, sem escalas. Está não somente no coração, mas também na alma, impregnado, com cheiro e até gosto. Está aqui, sempre batendo à porta quando dou bom dia ao Sol. Mas é apenas dor. Apenas. E o mundo, e o mundo? É todo o resto. É tudo aquilo que não consigo – e nem posso – contar ou reduzir. É tudo que amo ou me causa desgosto. São os pecados da alma. Os segredos em minha mente. Um amor intenso - não importa quantas pedras eu colocar para dentro, ela sempre continuará flutuando na minha mente. E também as mentiras – até em um anjo cintilante acreditei. Enfim, é todo o resto, todo o resto. E a vida, e a vida? Não sei, nunca encontrei, nunca vi. Procurar? Tentei muitas vezes, mas nenhuma foi real. Será que ainda posso ver meu coração?

5 comentários:

  1. Oi Marília
    Que texto profundo! Vc escreve muito bem! Sei bem o que é se sentir morta ainda viva! Acredite, mas é o que sempre digo: Vai passar! Essa é a boa notícia! O sol vai voltar a brilhar para vc, e a vida não vai ser tão pesada, esses momentos que vc tá passando vão ser apenas lembranças ruins, eu sei do que estou falando.
    Bjos. e #tamo junto.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Belo texto Marilia,concordo com a Lu você escreve muito bem. Que essa dor passe logo.
    Bjus

    ResponderExcluir
  3. já tive neste estágio, mas agora com o aumento da medicação melhorou, ainda assim nunca é normal. tb tenho a sensação de não fazer parte da vida. parece que a vida é uma festa para a qual não fui convidada. desejo tuas melhoras. a paz possível, bjs
    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa estou encantada com este texto. Nenhum texto conseguiu descrever o que eu sinto. Muito obrigada por conseguir retratar em tão belas palavras o que só nós sabemos.
    Maria Bonita

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.