Amigos:

21 de jul de 2013

O Amor Borderline



O amor, ah o amor... Sentimento tão sublime que nos deixa leve e insones por um bom tempo. Amar alguém está inserido no ciclo natural da vida. Amar é necessário, mas penoso. Amar pode ser tudo e nada ao mesmo tempo, o bem e o mal, 2 em 1. Amar é isso, é aquilo, é outrora... Não há uma definição certa para o amor, além do famigerado “Eu amo porque amo e não tem explicação”. Mas o amor é sentido de maneiras diferentes.

Um border, por exemplo, não ama de maneira sublime e leve, mal sabe o que é isso. Um border ama de maneira pesada e dolorosa, que machuca e sofre e também faz sofrer. O amor borderline é o mais complicado de se entender, ou o mais fácil. Nós amamos por carência e, geralmente, por enxergar coisas que não existem, como uma certa malícia em cada palavra dita pela pessoa amada sem nada disso ter ocorrido. Nós amamos pela falta, falta de carinho da família e amigos, falta de ambição na vida, falta de paciência, falta de amor próprio, daí vem o ciclo vicioso resumido em poucas palavras: escassez, “objeto de desejo”, obsessão, possessão, dor. Aí que mora o perigo, nessa exata bola de neve do mal. Não sabemos amar direito, é sempre a pessoa errado, salvo raras exceções. 

Mas por que é sempre assim, tanto sofrimento pra amar alguém? Talvez se não enxergássemos no outro apenas aquilo que queremos (ao invés daquilo que devêssemos), tudo seria mais colorido e menos preto&branco. Nós nos projetamos no outro e é isso que torna o amor borderline sinônimo de dor, frustração e “masoquismo”.

 Dor porque é mais do que normal um border se machucar em uma relação - ou pseudorrelação -, mesmo sabendo que aquilo não daria certo de um jeito ou de outro. Machucamos-nos seriamente, às vezes as feridas parecem não querer cicatrizar ou parar de latejar. Frustração porque no fim, tudo não passava de uma grande ilusão, um sonho – ou melhor, pesadelo – criado por nós para sustentar uma verdade intrínseca que mal sabemos como surgiu. Uma verdade que não é simples, nada mais é que um emaranhado de fios conectados ao nosso ponto mais fraco: o abandono real ou imaginário da pessoa amada. Masoquismo porque é nisso que se torna o nosso sentimento: quanto mais amamos, mais nos machucamos e parece que mais gostamos da dor. Só depois de muito apanhar é que um border aprende a lição. Mas precisa sangrar, jorrar sangue pelos poros para ver o quanto é inútil crer que temos aquela pessoa em mãos. O quanto é inútil crer que seremos felizes como um “não-border”, enquanto nos deixamos de lado para viver a vida alheia. O quanto é inútil se colocar como um ser desprezível e o outro como um deus. Tudo é uma questão de tempo e razão, até o amor.


O que fazer para mudar esse estigma? Nada. Isso mesmo, nada. Não tem muito que fazer. É normal um border sofrer por amor. Alías, border que não sofre por amor é um pouco estranho, não acham? Então, ao invés de procurar fórmulas mágicas para não sofrer por amor, que tal deixar o tempo fluir na vida como tem que ser? Nada cai do céu, muito menos a felicidade plena. Uma decepção amorosa pode ser universal, seja você um border ou não. O que falta é acreditarmos mais em nós mesmos e menos nos outros. No dia que isso acontecer, o céu brilhará de outra forma para todos nós. 

19 comentários:

  1. Resumiu muito do que passo do que penso e do que sinto, passaste do ilusório este sentimento e agregou aos limitados traços da razão. Difícil plano, difícil encaixar quando tudo que sentimos é desencaixado e exacerbado. Vivemos o amor dos contos muitas vezes vemos o amor de nossas vidas em muitas faces, nomes e paradigmas. São tantos amores que para um borderline não cabe a declaração 'amor da minha vida' e sim 'aquele que não vá'. Espero de coração que todas nós encontramos o amor que não vá, aquele que fique e aceite ser amado sem limites.

    ResponderExcluir
  2. É difícil ser rejeitada por amar demais, por se entregar totalmente, por querer estar perto demais. Estou passando por isso neste exato momento.
    De novo.
    Ouvi "eu te amo", "eu te quero pra sempre", "vc é minha e eu sou seu", me prometeu o céu e o mar. Fui dormir em uma noite da semana passed depois de ouvir "estou com saudades, nos vemos amanhã" e acordei com "não me procure mais". Sério! De repente, sem explicações. Houve tempos q eu espernearia, faria escândalo e até faria chantagem emocional dizendo q me suicidaria, q estou doente, etc. Hoje eu apenas aceito e dixo pra criar caso comigo mesma, pq sei q cedo ou tarde é sempre assim q vai terminar, embora eu ainda queira insistir. Mas não esperava algo tão chocante como aconteceu. Estar feliz por se sentir amada, aceita, com uma sensação de carência e vazios preenchidos por alguém q vc conseguiu consruir uma confiança e de repente, a pessoa q te proporcionava isso te virar as costas e dizer q td q vc fez foi péssimo, é horrível. DE NOVO akela sensação d estar dando um passo à frente, conseguindo confiar em alguém e de repente esse alguém cortar isso e te fazer voltar 10 passos atrás. De novo.
    Vou superar. Sempre supero.
    O ruim é oq se passa sempre até conseguir superar. Minhas mudanças de humor estão piores, a raiva, as explosões, as atitudes impulsivas e autodestrutivas, a depressão, a sensação de nada ser real, a vontade de chorar como um bebê o dia todo e er alguém pra te amparar e dizer q eu sou boa.
    Tudo isso por causa de 1 pessoa. Não por causa do cara, mas por mim. Pq isso só me faz acreditar q realmente não se pode confiar em ngm, q sou uma criança chorona e indefesa presa num corpo de mulher precisando de alguém pra cuidar de mim, por mais que eu tente ao máximo mostrar o contrário. ODEIO SER ASSIM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu me sinto exatamente assim. exatamente assim. parece que essa porra nunca muda, tudo que ele faz afeta como eu me comporto, define se eu vou ficar trancada no meu quarto sem comer ou se eu vou amar a vida. como se eu precisasse amar obsessivamente uma pessoa pela necessidade absurda de ter alguém que cuide de mim e nunca me abandone.

      Excluir
  3. Que texto lindo.
    Concordo com você quando diz que temos que acreditar mais em nós mesmos, precisamos acreditar mais nas nossas verdades e nos nossos sentimentos. Abraços

    ResponderExcluir
  4. De tds relacionamentos q tive na vida, de tds levei o fora, sou ciumenta, possessiva, insegura, e etc... eles n aguentam e tem tda razão ninguém aguentaria, meus ataques frequentes, minha desconfiança permanente e a possessão tipo "vc é meu" vivo só!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o seu texto! Namorava um borderleine que dizia me amar prometendo o "felizes para sempre" mesmo com tanto sofrimemto ao lado dele queria muito isso + derrepente todo aquele AMOR se transformou em odio gratuito...Estou buscando forças para resgatar meu amor própio que ele conseguiu tirar de mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comigo aconteceu isso tbm. Há dez anos meu namorado , que na época não havia sido diagnosticado como border, passou do amor ao ódio, foi embora sem me dar satisfação. Passei 8 anos deprimida, enclausurada, sem vida. Agora ele veio me procurar e estou muito confusa, pois sei q será um novo sofrimento.

      Excluir
  6. Comecei a ficar com um borderline, isso eu descobri depois de um certo tempo com ele, sempre desconfiei da intensidade dele, e como ele era carente, porém tudo que eu queria era acolher. Só que em uma de suas oscilações de humor, ele revelou para mim que tinha este transtorno, na hora eu pirei, era leiga do assunto. Primeiro conselho que recebi de quem entende era me afastar, mas naquela altura do campeonato tudo que eu menos conseguiria era abandona-lo. Ele sempre foi muito dócil como fazer aquilo com alguém que precisava de mim, e pior pelo tempo já estava envolvida com aquele homem... Estou tentando entender o que é esse transtorno, tentando assimilar a ideia que a luta não esta tão perdida. Tenho muito medo, medo dele se envolver mais ou eu, e isso se tornar um pesadelo gratuito... Só acredito no amor, e na força que ele possa transformar as pessoas... Nada nessa vida é absoluto, e ninguém, ressalto ninguém é perfeito ou normal... Temos nossas anormalidade. E eu só quero aprender com ele e ensinar também.

    ResponderExcluir
  7. Comecei a ficar com um borderline, isso eu descobri depois de um certo tempo com ele, sempre desconfiei da intensidade dele, e como ele era carente, porém tudo que eu queria era acolher. Só que em uma de suas oscilações de humor, ele revelou para mim que tinha este transtorno, na hora eu pirei, era leiga do assunto. Primeiro conselho que recebi de quem entende era me afastar, mas naquela altura do campeonato tudo que eu menos conseguiria era abandona-lo. Ele sempre foi muito dócil como fazer aquilo com alguém que precisava de mim, e pior pelo tempo já estava envolvida com aquele homem... Estou tentando entender o que é esse transtorno, tentando assimilar a ideia que a luta não esta tão perdida. Tenho muito medo, medo dele se envolver mais ou eu, e isso se tornar um pesadelo gratuito... Só acredito no amor, e na força que ele possa transformar as pessoas... Nada nessa vida é absoluto, e ninguém, ressalto ninguém é perfeito ou normal... Temos nossas anormalidade. E eu só quero aprender com ele e ensinar também.

    ResponderExcluir
  8. Olá a todos,me chamo Sergio, e creio que vivenciei um período de minha vida com uma mulher assim. Às vezes parecia que era tratado muito mal sem razão aparente, por vezes ela era sarcástica, a dor de ter ciência do que acontecia me machucava muito, mas, o que mais me assustou foi a incrível sensação de compreensão que eu tinha para com ela, e ela muitas vezes parecia que me imitava.. muito estranho mesmo, para mim que procuro lógica em tudo! Talvez ela seja minha alma gêmea, não sei, mas só ficou comigo a dor de ser maltratado e rejeitado, não sei se fiz por merecer, mas isto já não importa muito... quando me lembro dela evito ter rancor, na verdade algo estranho ocorreu, e prefiro a felicidade dela que a minha própria, mas estou cansado e no limite.... espero ter agregado algo à ela, pode ser que eu esteja cometendo uma grande injustiça ao dizer que ele tenha algum tipo de peculiaridade comportamental. Não sei muito bem o que vai ser de mim, sei que ela só me trará dias tristes e aborrecimentos, e não tenho forças para suportar mais. Para mim creio que já basta por ora de falar disto.Espero que todos que convivam e possuam esta característica possam ter dias alegres e felizes através da compreensão e do amor fraterno, que, pelo que eu saiba, é o sentimento mais belo deste mundo, e que tudo transcede.. Sejam felizes!!!

    ResponderExcluir
  9. É preciso um Kaos dentro de si, para dar a luz a uma estrela..." (Nietzsche)...Sou louco de paixão por uma boardline...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito bom o seu comentário.

      Excluir
  10. É muito complicado quando nos percebemos amando de verdade uma pessoa com TPB, no meu caso uma mulher linda, inteligente e muito mais jovem do que eu. Mas que desde a primeira vez que tive contato com familiares da mesma, foram logo me avisando: que pena fulana arruma tanto cara bacana, mas ninguém aguenta.
    E para piorar nas crises a mesma insiste que tem que tratar de uma pseudo-depressão, que julgo totalmente inexistente. o TPB é preponderante, a depressão pode até vir no pacote como sendo uma comorbidade.
    Entre tantas brigas, na última por acaso descobri e ouvi da mesma que ela me amava mas também ainda amava o ex-namorado de 8 anos, estávamos juntos há 5 meses. A intensidade é absurda. Mas creio que nesse caso o meu afastamento se deu por amá-la tanto, que preferi facilitar a reaproximação dela para com o segundo ela "amor da vida dela e o cara que ela quer ter filhos".

    ResponderExcluir
  11. Faço terapia desde os 17 sempre tive meus relacionamentos muitos intensos a ponto de me machucar fisicamente e tentar suicídio até...estou a 13 anos num casamento frustrado, sem respeito após muitas loucuras e sofrimentos...todos os dias penso até quando...ou vou ter que acabar com isso por bem ou por mal

    ResponderExcluir
  12. Namoro uma mulher quem tem todas as características borderline: Impulsiva, agressiva ,manipuladora , um tanto compulsiva sexual,instabilidade de humor as vezes sarcástica,dissimulada, com total intolerância a frustração.Um dia descobri que ela estava me traindo no que ela argumentou que o fez pra se vingar de mim,mas não me deu a oportunidade do diálogo.Um dia me fala de amor, no outro parece uma outra pessoa indiferente, e o pior por mais que eu tente não consigo o diálogo para tentar atenuar tanto sofrimento.Ela me cobra muito sem procurar compreender minhas dificuldades, mas não suporta que eu afaça o mesmo. Apesar de tudo sinto um misto de sentimentos por ela: Amor, raiva, mágoa, compaixão e uma desesperada vontade de esquecer esse amor bandido que me faz tão mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou nessa. Perdidamente apaixonado por uma border. Já fui traído com a mesma desculpa. Vingança. Mas a intensidade do amor dela me fascina. Ela é carinhosa demais; quer ficar perto de mim o tempo todo, me beija e me faz carinho o tempo todo como se eu fosse um bichinho de estimação e eu adoro. Mas o medo de viver com ela vem da possibilidade de passar a ser traído, já que vivo muito ausente por questões de trabalho.

      Excluir
  13. Nossa... É exatamente assim que eu me sinto quando estou apaixonada

    ResponderExcluir
  14. A muito tempo venho sofrendo de bordeilaine e gostaria de saber se pessoas como eu conseguem cer felizes em um relacionamento por favor me respondam preciso muito saber isso

    ResponderExcluir
  15. Descobri que tenho esse transtorno, fui diagnosticada ontem e ainda estou um pouco assustada.
    Sempre me achei diferente de outras gurias da minha idade. Eu me relaciono, amo muito a pessoa e do nada esse amor vira em nada e não quero nem vê-la. Já machuquei muitos, muitas.
    a única coisa que eu queria era ser normal.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.