Amigos:

13 de mai de 2013

Maio é o Mês da Consciência TPB.



Maio é o mês da Consciência TPB. Enquanto há muitos sites com excelentes descrições clínicas ou oferecendo conselhos para as pessoas próximas a um border, há uma falta de informação sobre o transtorno do ponto de vista de alguém com TPB.
Então, em honra do Mês de Consciência TPB, aqui vai o que o TPB é para mim:

TPB e profissionais da saúde mental

TPB é ter seus sintomas minimizados ou ignorados porque você é "só um border"

TPB é ter todas as suas ações vistas por olhos que suspeitam de manipulação.

TPB é ter terapeutas recusando-se a pegar seus caso por causa do seu diagnóstico.

TPB é ter conselheiros religiosos pensando que vo^ce está vivendo em pecado ou possuído pelo demônio.

TPB é saber que seu diagnóstico é código para "pé no saco".

TPB é entrar e sair de hospitais, onde você é tratatodo como se tivesse inventando uma desculpa para ser internado.

TPB é ser posto em correntes de restrição mais rápido que não-bordersa enquanto está no hospital.

TPB é ser subjugado por profissionais de saúde mental toda vez que começa a mostrar raiva ou frustração.

TPB visto por outras pessoas

TPB é ser visto como "sedento por atenção".

TPB é ser visto como um monstro instável que força todos a andarem em cascas de ovos.

TPB é ser "o outro parente"

TPB é ser desprezado não só porque você tem um transtorno, mas porque esse é mal compreendido.

TPB é passar por uma experiência horrível e ter sua reação repudiada por "reagir exageradamente"

TPB é não ter nenhuma relação além de "solteiro" porque todos temem que você vá machucá-los fisicamente, emocionalmente e/ou verbalmente.

TPB é ter pessoas que esperam que você simplesmente "supere".

TPB e  você mesmo

TPB é sentir como se todos te culpassem pelo seu diagnóstico.

TPB é sofrer todos os sintomas de um transtorno psiquiátrico enquanto tem completo controle de sua mente.

TPB é sentir que você está no limite da sanidade e da psicose.

TPB é ficar com medo de ninguém estar lá para você.

TPB é estar sempre olhando por cima dos ombros pra se certificar que o monstro não está te seguindo.

TPB é nunca saber como você vai reagir.

TPB é não saber quem ou o que você é.

Sintomas clínicos do TPB:

HealthyPlace.com tem uma lista dos sintomas clínicos do TPB. Note que isso não é um diagnóstico; conselhos não são substitutos para um tratamento por um profissional qualificado.

O critério para o diagnóstico do Transtorno de Personalidade Borderline é ter 5 dos 9 sintomas a seguir:

- esforços desesperados para evitar abandonos (excluindo auto-mutilação e tentativas de suicídio);
- um histórico de relacionamentos instáveis - desprezar a pessoa em um momento, no outro amá-la loucamente.
- um histórico visível de ser inseguro sobre a própria identidade: Sou gay ou hétero? Sou bom ou ruim? Eu acredito nisso ou naquilo?
- duas áreas de impulsividade com consequências potencialmente ruins: direção inconsequente, abuso de substâncias, promiscuidade, excessos. (excluindo auto-mutilação ou tentativas de suicídio)
- Várias tentativas de suicídio ou episódios de auto-mutilação.
- mudanças de humor durando algumas horas.
- raiva inapropriada, intensa e incontrolável.
- Sentimentos crônicos de vazio.
- Episódios de paranóia ou dissociação que vem e vai quando a pessoa está sob stress.

O Manual Merck (livro de referência médica amplamente utilizado por profissionais da saúde) podemos ler: "seus processos mentais são mais perturbados do que aqueles com personalidade anti-social, e sua agressão é mais frequentemente voltada para si mesmo. Eles são mais raivosos, mais impulsivos e mais confusos sobre sua identidade do que pessoas com Transtorno de Personalidade Histriônica*"

O TPB é um diagnóstico com o qual é difícil de se viver, mas pode ser tratado. Eu era considerada um caso sem esperança - a Terapia Dialética Comportamental não funcionou comigo - mas a Terapia do Esquema sim. Eu tenho crises cada vez menos frequentes e sou capaz de lutar quando os sintomas me ameaçam. Isso não quer dizer que estou livre dos problemas - não acho que isso exista - mas eu sei como encarar a luta.

O TPB não precisa ser um diagnóstico sem solução.

* Transtorno de personalidade histriônica (TPH) é definido pela Associação Americana de Psiquiatria como um transtorno de personalidade caracterizado por um padrão de emocionalidade excessiva e necessidade de chamar atenção para si mesmo, incluindo a procura de aprovação e comportamento inapropriadamente sedutor, normalmente a partir do início da idade adulta. Tais indivíduos são vívidos, dramáticos, animados, flertadores e alternam seus estados entre entusiásticos e pessimistas.

(Fonte: Healthy Place - tradução livre do artigo - e Wikipedia)

- Achei o máximo, navegando na web, descobrir que maio é o mês de Consciência TPB (nos Estados Unidos), graças a uma resolução do governo de lá. Prova de uma consciência não só dos problemas causados pelo TPB, mas de transtornos em geral e informação é a melhor arma para acabar com o preconceito.

Por conta disso, farei algumas coisas aqui no blog. Primeiro gravarei o primeiro Podcast (achei que não estava preparada ainda para colocar minha cara no vídeo). E tem uma "brincadeira" acontecendo no Tumblr com os Borders, 31 dias com TPB, onde cada dia respondemos a uma pergunta. Como perdi os primeiros 12, vou ter que responder a mais de uma por dia... :)



Ah, tem post meu lá no Projeto Burlive. Vale a pena dar uma olhada!



4 comentários:

  1. Eu sinceramente não sabia nada a respeito de transtorno de personalidade boderline até chegar ao seu blog. E a informação é muito preciosa, pois muitas pessoas podem estar sofrendo sem sequer saber o que têm. Meu filho de 8 anos foi diagnosticado com ansiedade de separação. Pode parecer simples para quem olha de fora, mas demorou muito tempo para um diagnóstico. Ele já tinha passado por psicóloga e foi uma pediatra quem deu o diagnóstico.
    A sua coragem em compartilhar está ajudando muitas pessoas, tenho certeza disso. E mesmo que não haja cura pelos diagnósticos humanos, creia que Jesus, em seu infinito amor e compaixão, pode te dar um caminho para ser feliz. Independente dos rótulos religiosos.
    Um abraço bem apertado.

    ResponderExcluir
  2. Oi querida
    Muito bom o post! Muito explicativo. Espero que vc esteja melhorando!
    Bjos. e #tamo junto!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns marida, realmente seu blog está expandindo horizontes quando se trata de um blog sobre/de TPB! Não é só mais um logadouro de melancolia e mágoas, mais que isso tornou-se um centro de informação e e até mesmo uma nova luz para quem vivia na escuridão do conhecimento do transtorno (assim como eu) continue sempre nos trazendo isso! FUERZAAAA

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.