Amigos:

19 de jun de 2013

#VEMPRARUA





Eu sei, este é um blog sobre o transtorno de personalidade borderline. Você que entrou agora, não, não está no blog errado. Porém tem certas coisas que vão além de transtornos. 

Eu tinha 14 anos e morava em Brasília no FORA COLLOR. Fugi do colégio e fui pra rua até o congresso, com a cara pintada. Qual não é minha surpresa a ver que finalmente as pessoas estão acordando. Acordando contra esta roubalheira generalizada que acontece por debaixo dos nossos narizes. Acordou contra estes políticos ladrões que nos fazem de palhaços e sorrimos, satisfeitos com uma vida patética de pão e circo.

Então gastam milhões em estádios que virarão elefantes brancos em pouquíssimo tempo. Cobram uma fortuna de ingressos e pedem voluntários pra trabalhar. Em um mar de obras super-faturadas roubam nosso dinheiro sem vergonha nenhuma. Aumentam a tarifa de ônibus e oferecem um sistema de transporte precário e humilhante para qualquer estudante ou trabalhador.

Pra mim é muito lindo ver a galera acordando e indo pra rua protestar, pois, sim, nossa voz é maior do que qualquer politicagem ridícula! A força de uma população insatisfeita pode quebrar barreira e conseguir vitórias pertinentes e o povo está se dando conta disso, finalmente! É um novo tempo, a alienação deu lugar a luta, o povo está dando sinais que não aguenta mais tanta roubalheira, tanto desrespeito. somos nós quem fazemos este país, não eles!

Não são 20, 30 centavos. É o descontentamento com um país em frangalhos em que quem está no poder ri da nossa cara a cada dia, votando para se auto-proteger, aumentos de salários, leis absurdas. Gente, o que é o ATO MÉDICO? E a CURA GAY? Absurdo retrocesso.

Então eu estou aqui fazendo 0,00000001% do que as pessoas lá fora estão fazendo. Amanhã é a vez de Recife acordar. Teremos um protesto onde são esperadas pelo menos 30.000 pessoas, no mínimo. Se não fosse esta minha fobia de lugares com muita gente que estou agora eu estaria lá, gritando, fazendo história. Estamos reescrevendo os livros, gente. Você, que está lendo isso, borderline, bipolar, TDAH, sem transtorno, não importa, vá pra rua! Vá fazer parte da mudança! Vá provar aos que estão no poder que sua voz não se cala! 

Vocês estão vendo tudo isso vindo de uma pessoa que sempre se disse não patriota. Porém, ao ver o hino nacional sendo cantado nas ruas por pessoas que realmente querem a mudança e não por um bando de hipócritas vestidos de amarelo correndo atrás de uma bola, não pude deixar de me emocionar. Ser patriota não é ir por bar ver a seleção. É ir pra rua tentar mudar a porra dessa nação.

#OGIGANTEACORDOU


3 comentários:

  1. Oi querida
    Eu também fiquei feliz de ver que os brasileiros não estão mais passivos diante dessa situação, mas fico triste de que alguns baderneiros se infiltram no meio e picham um patrimônio como o Teatro Municipal, e roubam comércios, isso não era para acontecer! Era para ser só uma manifestação pacífica! Eu estava em São Paulo na terça com meu filho e vim embora rápido, porque fiquei com medo do que iria dar a manifestação, depois vi na TV que fiz o certo.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. É muito além de ser patriota. Eu, particularmente, não gosto desse rótulo. É uma questão de se sair da inércia e dizer que a palhaçada acabou e agora temos a real noção do que somos capazes e do que não é mais admissível se fazer por aqui.

    Eu também estive no Fora Collor... Agora, estou como observadora, torcedora efêmera dessa brasilidade toda que nem tem a ver com futebol.

    Beijo, moça.

    ResponderExcluir
  3. AGORA OS POLÍTICOS ESTÃO QUERENDO "ENROLAR" O POVO. DIZ QUE VAI CRIAR PLEBISCITO E DEPOIS DIZ QUE,'NÃO IRÁ DAR TEMPO'.
    CONVERSA! SE FOSSE PARA SE AUTO FAVORECEREM,ERA RAPIDINHO.
    - QUE AS MANIFESTAÇÕES NÃO CESSEM EM CONTINUAR,PARA FAZER DESTE PAÍS,MAIS DECENTE!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.