Amigos:

3 de jul de 2013

Subtipos de Transtorno de Personalidade Borderline



De acordo com a Wikipedia, o psicólogo Theodore Millon identificou quatro subtipos de transtorno de personalidade borderline. Eles são:

1. Borderline Desencorajado - inclui comportamentos de prevenção, depressivos ou dependentes 
2. Borderline Impulsivo - inclui comportamentos anti-sociais ou aqueles procurando atenção
3. Borderline Petulantes  -inclui comportamentos passivo-agressivos 
4. Borderline Auto-destrutivo - inclui comportamentos depressivos ou auto-destrutivos 

Uma pessoa com TPB pode não ter nenhum, um, ou mais de um destes subtipos. Eu acredito que me enquadro no tipo desencorajado e no auto- destrutivo.

Borderline Desencorajado:

Essa é uma pessoa que acredita que não importa o que faça, não pode vencer. Consequentemente, ela pode evitar as pessoas, acreditando que eles não vão querer ficar perto dela. O outro extremo é ela ser dependente demais das outras pessoas, esperando encontrar algum senso de auto-estima delas. Esta pessoa pode também sofrer com sintomas de depressão. 

Ela está operando no modo "criança abandonada". Acredita que não é digna de amor e afeição, que ninguém vai querer nada dela e se comporta de acordo com isso. Isso pode incluir esforços frenéticos para evitar o fim ou qualquer perturbação no relacionamento, pensamento preto-e-branco ou um senso instável de si mesmo.

Borderline Impulsivo

Eu já lidei com este tipo de pessoa antes, e não é uma experiência agradável. Isso é o que os profissionais da saúde mental geralmente querem dizer quando falam em "borderline". Este tipo de pessoa está em conflito constante com a sociedade. Os ataques de violência não são incomuns. ela não pensa antes de agir, e o resultado é caos para todos os envolvidos. Este border pode ter o Transtorno de Personalidade Antissocial como um diagnóstico co-ocorrente.

Esta pessoa está operando em modo "criança abandonada" - um apelo por atenção, qualquer atenção - assim como no modo "criança com raiva". Esta "criança" acredita que as outras pessoas merecem serem punidas por sua dor, e se comporta de acordo. Este border pode ter pouco controle dos impulsos, abuso de substâncias ou auto-mutilação.

No outro extremo, ela pode buscar aprovação a qualquer custo. De certa forma isso é tão prejudicial como crises de comportamento auto-mutiladores. Ela provavelmente não liga para si mesma, é tudo sobre o que a outra pessoa pensa. Isso frequentemente resulta em esforços extremos para evitar desaprovação ou abandono.

Borderline Petulante

Esta é uma pessoa passivo-agressiva. Ela vai se machucar - fisicamente ou emocionalmente - em uma tentativa de obter suas necessidades satisfeitas. Ela tem um senso instável de si mesma, um grande medo do abandono e uma inabilidade de expressar suas necessidades.

Ela opera em modo "Criança com Raiva" - ela está com raiva e como resultado vai machucar amigos e familiares. Muitas vezes não reconhece sua ira - o mundo é o problema, não ela. Este border não sabe como expressar suas necessidades de uma maneira saudável, então os relacionamentos parecem ser um jogo de "Se você realmente me ama" ou "Você deveria saber o que eu quero."

Borderline Auto-Destrutivo

Essa é a imagem cultural popular de uma pessoa com o TPB: Gótico ou emo. Esta pessoa geralmente sofre de depressão como diagnóstico co-ocorrente e se mutila. Muitas vezes, somente estes dois critérios -  instabilidade emocional e comportamento auto-mutilativo - são suficientes para se merecer um diagnóstico de TPB (apesar do DSM-IV exigir um diagnóstico de TPB onde cinco dos nove critérios são atendidos). Este é um indivíduo que acredita que ninguém se importa, e reage não se importando consigo mesmo.

Ela opera no modo "Criança Abandonada". Já que não se sente amada, reage de formas auto-destrutivas na tentativa de sentir algo ao invés de nada. Ela vive aterrorizada pela possibilidade de abandono, é aversa a si mesma e não tem idéia de quem é por dentro. Pensamentos ou ações de auto-mutilação são tidos neste tipo.

A boa notícia sobre o TPB

A boa notícia é que há esperança. O TPB é tratável. Todavia, é útil saber que se você se adequa a um subtipo, a fim de se comunicar melhor com seu terapeuta. Você pode não saber em qual subtipo está ou pode ser que não se adeque em só uma das categorias, ou nenhuma - tudo bem. O que é importante é que compreenda seu diagnóstico, para melhorar o resultado do tratamento. Há esperança - mesmo que você sinta que está inserido no pior subtipo na história da psiquiatria.

(tradução livre do artigo "Subtypes of Borderline Personality Disorder")


* Acho que sou os quatro. #prontofalei

6 comentários:

  1. Eilan, vc faz um trabalho de pesquisa muito bacana.Um grande bj

    ResponderExcluir
  2. Néh...
    Vou ler mais sobre o impulsivo e o petulante, tipo assim só por ler sabe. ;X

    ResponderExcluir
  3. Tambem adoro seu trabalho de pesquisa.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. bem, eu estou numa fase em que não acredito que uma doença que se manifesta por problemas tão profundos e relacionados a infância tenha uma cura de fato.

    ResponderExcluir
  5. Os subtipos podem se misturar? Ou seja, uma pessoa pode apresentar características de mais de um subtipo?

    ResponderExcluir
  6. Seu blog tem dado muito apoio a mim e a minha esposa (ela é border). Obrigado pelo seu trabalho tão bonito. A partir dos seus posts temos conseguido entender melhor o cenario do transtorno e lidar melhor com os sintomas.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.