Amigos:

13 de set de 2013

Mindfulness (atenção plena) - benefícios e prática (2)




Neste post aqui eu comecei a falar de desregulação emocional e os benefícios do Mindfulness - chamado em português pela terapia cognitivo comportamental de atenção plena - para o TPB. 
Lembrando: Mindfulness é estar intencionalmente consciente do momento presente, sem julgamento, se permitindo a vivê-lo, sem focar em outra coisa.

Como o mindfulness aumenta a consciência de si mesmo, praticá-lo ao longo do tempo ajuda a responder a uma situação ao invés de simplesmente reagir. Estes são alguns fatores que contribuem a isso:

- Focar no presente diminui a dor emocional

Muitas vezes nosso sofrimento ou ansiedade é ligado a algo que está relacionado ao passado ou ao futuro: lembrança de um relacionamento que acabou, de uma morte, ou angústia por algo que está por vir, como um encontro, uma prova, entrevista de emprego, a possibilidade de encontrar alguém que não queremos encontrar se sairmos na rua. Estas coisas nos trazem sentimentos como raiva, tristeza, culpa, vergonha... Grande parte das pessoas que sofrem de algum transtorno de ansiedade vivem o futuro, experienciando os momentos que elas temem como se elas tivessem acontecendo naquele instante.

Focando no momento presente, ou seja, praticando a atenção plena/minfulness, ajuda a prevenir as emoções dolorosas de aflorarem, te ajudando a estar consciente de quando você estar vivendo no passado ou no futuro.

- A Atenção Plena tem um efeito calmante
Como o resultado de se viver mais no momento presente diminui a frequência de emoções dolorosas, você vive mais relaxado. Exercitar a Atenção Plena necessita de que se faça uma coisa de cada vez. Fazer tudo no mesmo momento é extremamente estressante e tirar este peso da rotina tem um efeito calmante.

Prestando mais atenção ao que está vivendo no momento presente faz você se dar conta do prazer em fazer coisas que não percebia antes, como escutar os pássaros, cuidar do seu gato, caminhar.

- A Atenção Plena melhora a concentração e a memória. 
Muitas vezes esquecemos aonde colocamos a chave, para que dia marcamos a consulta no médico ou até mesmo a água no fogo. Isso acontece porque fazemos uma coisa pensando em mil outras, e a consequência é que não vivemos nenhuma delas. Tendo consciência do que se está fazendo no mesmo instante nos faz lembrar com mais facilidade das etapas em que realizamos as tarefas diárias.

O objetivo da Atenção Plena:

Na verdade não há objetivos nesta prática. O foco é simplesmente estar. é simplesmente se permitir viver o momento presente com aceitação, sem expectativas ou julgamentos, sem desejar estar em outro lugar ou tentar ser algo diferente. 

Como praticar a Atenção Plena:

A idéia do Mindfulness pode parecer relativamente simples: focar no momento presente com aceitação. Porém, colocar isso em prática é um pouco mais complicado. No mundo Ocidental aprendemos que o ideal é fazer várias coisas ao mesmo tempo. No nosso dia-a-dia, por exemplo, assistimos TV enquanto comemos, ao mesmo tempo que mexemos no Facebook e conversamos. Sem contar a parte do julgamento, crescemos com os conceitos do que é "bom" e "ruim", "certo" e "errado".

Ao retornar ao conceito de Mindfulness - fazer uma coisa de cada vez, no momento presente, com toda sua atenção e aceitação - você pode perceber que há uma variedade infinita de maneiras de praticar a atenção plena. qualquer coisa que você for fazer, pode ser de uma maneira consciente: escutar música, assistir TV, conversar com alguém, comer, dirigir, brincar com seu gato... Se focares toda a sua atenção na atividade, no momento presente, com aceitação. Então, se você está praticando a atenção plena ao escutar música, caso toque uma que você não goste ao invés de pensar: "odeio esta música" e passar para a próxima, você simplesmente deve prestar atenção nos pensamentos e sentimentos que vem a tona. Ou se você está (como eu agora) escrevendo e o som alto da televisão na sala te tira a atenção, ao invés de pensar: "que saco, não consigo acabar!", você presta atenção nos seus sentimentos: "Estou experienciando uma vontade de gritar para que alguém desligue a porcaria da televisão". Em ambos os casos você vai perceber os pensamentos e sentimentos que aparecem, reconhece-los e gentilmente (sem julgamento) retornar a atenção para a atividade.

Claro que algumas vezes a atenção plena é mais fácil de praticar do que em outras. O importante a ser lembrado é que pode parecer difícil, mas isso não significa que você deva parar de praticar. Pelo contrário, mindfulness vai ajudá-lo a aprender que você não deve reagir a todo e qualquer sentimento que tem, você pode ter consciência deles sem ter que fazer mais nada.

(fonte: Calming the Emotional Storm - Using Dialectical Behavior Therapy Skills to Manage your Emotions & Balace your life. SHERI VAN DIJK, MSW)

* É, eu ainda não escrevi meu texto pessoal sobre a felicidade (vai rolar, tenho que me inspirar), mas como eu havia falado antes, nesta Semana da Felicidade que instaurei aqui no B-G quero postar também formas para ajudar todo mundo a se sentir um pouco melhor. Eu venho praticando o mindfulness já faz algum tempo, e isso tem me ajudado bastante. Toda vez que me pego pensando em algo que me dói (o fdp do meu ex-namorado na maioria das vezes) ou ansiosa por alguma coisa, tento focar no momento presente. Se estou fumando, por exemplo, começo a notar tudo: como eu me sinto a medida que o cigarro vai sendo consumido, como está meu corpo, a pressão de meus lábios no cigarro, a fumaça que sai... Isso me faz viver o agora e não momentos que muitas vezes são criados pela minha mente, e outras vezes são a mesma mente teimando em me levar a momentos que não acontecerão mais.

Gente, parece bobo mas não é. Eu li a primeira vez e fiquei meio incrédula, mas a medida que vou praticando (como agora, por exemplo) fico mais consciente dos meus sentimentos, de minhas reações. Não é milagre não, com certeza, mas ajuda. Demais. além de tudo é usado sim como parte importante da Terapia Comportamental Dialética e Cognitivo Comportamental, comprovadamente eficazes no tratamento do Transtorno de Personalidade Borderline.


O Borderline e qualquer outro transtorno não é simplesmente um fardo que temos que carregar e ponto. Há formas de fazer com que tenhamos uma vida que valha a pena ser vivida. Falo mais: isso é para qualquer pessoas, com ou sem transtorno, doença ou qualquer coisa. Os problemas não são algo que foram jogados sob nossos ombros por alguma ira divina. Eles simplesmente fazem parte, as adversidades fazem parte, e a escolha é nossa de como lidar com isso.


(especial pra querida da Ellen :*)


3 comentários:

  1. Eilan, não conhecia Mindfullness... Achei muito interessante e imagino que não seja tão fácil de fazer quanto parece. Vou tentar...
    Adorei sua semana da felicidade. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada! Vc é muito especial pra todos nos q estamos nessa luta. Nao li o texto pois nao estou em casa, mas amanha, eu vou lê-lo. Vc q é uma querida. Muito obrigada pela atenção e carinho com q vc nos trata. Um beijao!

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Chamo-me André Amorim e pesquiso, em minha tese de doutorado, a atenção plena (mindfulness) voltada ao ambiente laboral. Gostaria de pedir a colaboração de vocês divulgando amplamente (por email ou no site), caso possível, o link que remete ao questionário online da pesquisa (ver abaixo). O único critério para participar é estar trabalhando.

    https://docs.google.com/forms/d/1f7Jmw31N56ztwiCrr2tRpjwq69VzCaI43xbc69sXDhk/viewform

    Agradeço imensamente a colaboração!
    Em caso de qualquer dúvida, favor entrar em contato.

    Respeitosamente,
    André Amorim

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.