Amigos:

6 de jan de 2015

Trocando experiências - idéias de suicídio.


Oi Natália, tenho 19 anos e descobri q tenho borderline há 1 ano quando depois de muitas tentativas de suicídio fui internada. Eu não fazia a mínima idéia do que era essa doença, foi aí que depois de pesquisas na net encontrei o seu blog, que desde então tem me ajudado muitíssimo. 

Minha vida nunca foi fácil, mas ela tem sido horrível de uns meses pra cá porque agora estou completamente só, só mesmo! Minha mãe tem o maior preconceito com transtorno mental, definitivamente eu não sou a filha que ela esperava eu me tornar, me cobra muito e eu me sinto muito mal, e pra piorar meu irmão mais velho tem piorado nas piadinhas de mal gosto desde que eu tive alta, me coloca no chão o tempo todo, e meu pai é um canalha, eu o odeio. 

Não tenho apoio da família, muito menos dos amigos que por medo de perder acabei perdendo de verdade. Estou tentando tomar coragem pra me jogar de uma ponte aqui perto de casa (a unica coisa que ainda não tentei) os meus últimos  cortes nos pulsos já estão cicatrizando e a minha vontade de morrer não passa.

Querida,

Tem certas coisas que é díficil até dizer algo... Eu me lembro quando estava em crise, bem mal, toda vez que me diziam "vai passar" eu ficava com raiva... Porque não parece que vai passar. O que posso te dizer é que se a gente focar na terapia, na medicação, deixar o tempo passar, essa vontade de morrer vai ficando menos frequente... A lâmina fica menos atraente. É um dia atrás do outro, uma vitória atrás da outra. 

Na sua idade os sintomas são intensos e é complicado lidar mesmo... Tente ler o blog, livros, tente fazer coisas que te tirem a atenção das idéias suicidas, ver filmes... Manter a mente ocupada. Eu assistia seriados o dia inteiro para não pensar muito... E assim fui sobrevivendo a um dia após o outro, até reunir forças.

Espero que você esteja melhor...

Beijos, 

Nathy


10 comentários:

  1. Sei como é dificil lidar com tudo pois fui diagnosticada cm boder a quatro meses e foi um baque pra mim e minha familia principalmente meu marido pois as vezes ele nau sabe cm agir mais aprendi q mesmo temdo precoceito ainda existe bondade e psoas boasBJM

    ResponderExcluir
  2. Olá. Adorei seu blog. Continue escrevendo!! Não sou border mas namoro uma garota que tem TODOS os sintomas de um. Nossa relação foi muito conturbada nesses 3 anos mas, à mais ou menos 1 mes comecei a ler sobre esse transtorno em blogs e livros, falei com psicólogos e já consigo ver o resultado em nosso relacionamento. Quem convive dia após dia com um Border sabe que não é fácil mas, se existe amor, no final dá certo. Posso ficar com raiva das atitudes dela (que qse todas as vzs me machucam demais) mas, tudo passa quando vejo seu sorriso :) .. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia:
      "Pare de Pisar em Ovos", de Paul T. Mason e Randi Kreger

      Excluir
  3. Fazer terapia, não vou defender nenhum tipo específico aqui, poder participar de grupos que passem por dificuldades parecidas, o que é comum em internações, ajudam a gente se localizar. Tenho 42 anos e lido com esta situação há pelo menos 22 anos, com fases em que não quero ver ninguém, outras com cortes e queimaduras, sono irregular e vários momentos em que parar de viver se torna uma ideia muito atraente, capaz de trazer paz. Contudo, com dificuldades, consegui seguir vivendo e trabalhando, e sem dúvida, suportando muita discriminação. Mas o que quero destacar para você, no caso específico do suicídio, é que este transtorno não é algo psicológico, é muito mais profundo, é físico, e precisa ser tratado com medicação e de uso contínuo. No meu caso, a ideação suicida e a sensação de vazio desapareceram com medicação, o Depakote, não estou dizendo que funcionaria para você, mas que deve ir a um psiquiatra, e buscar algum medicamento que tenha este efeito para você, e aí sim, vai ficar mais fácil reagir e lidar com o mundo.

    ResponderExcluir
  4. Minha esposa tb e boder e dificil pacas mas prometi cuidar dela na saude na doença na riqueza e napobreza ate q a morte nos separe entao nao e esse transtorno q vais nos separa amo ela mais do qnunca e cada vez mais pois cada um tem suas lutas e nessa guerra c for preciso tomo o front epor ela sreia capaz de vencer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia:
      "Pare de Pisar em Ovos", de Paul T. Mason e Randi Kreger

      Excluir
  5. Minha esposa tb e boder e dificil pacas mas prometi cuidar dela na saude na doença na riqueza e napobreza ate q a morte nos separe entao nao e esse transtorno q vais nos separa amo ela mais do qnunca e cada vez mais pois cada um tem suas lutas e nessa guerra c for preciso tomo o front epor ela sreia capaz de vencer

    ResponderExcluir
  6. Leiam
    "Pare de Pisar em Ovos", de Paul T. Mason e Randi Kreger

    ResponderExcluir
  7. Estou me esgotando de passos para dar
    De ar para respirar e palavras para dizer
    Estou me esgotando de barulho para fazer
    De piadas para contar e de corações para partir
    Estou me esgotando de sonhos para sonhar
    De lágrimas para gastar e gritos para gritar
    Estou me esgotando da vida novamente
    Estou me esgotando
    Uma overdose de nada

    ResponderExcluir
  8. Sou mãe de border, ela tem 29 anos, não se trata, diz que não tem nada e que é espiritual.....vcs que tem consciência que tem a doença , se trate, e cuide, e a vida vai ser mais fácil...... No momento tenho fé e esperança.... Amor de mãe incondicional sempre.....

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito bem-vindo. Mas se você for um desocupado e quiser esculhambar, por favor faça um favor a si mesmo e poupe seu tempo e o meu, ok?

Moderei os comentários, então o que você escreveu vai ser lido por mim antes de aparecer.